ANEAM - Associação Nacional dos Engenheiros Ambientais

16-02-2013

“É preciso buscar o conhecimento, ficar por dentro da legislação vigente, tecnologias alternativas e metodologias de trabalho em equipe”

Avalie este item
(1 Voto)

O graduando em Engenharia Ambiental pela FESP-UEMG – Faculdade de Ensino Superior de Passos – Minas Gerais, Lucas

Leônidas Goulart Silva, também é Técnico em Meio Ambiente pelo IFMG - Campus Bambuí.

Atualmente, trabalha com consultoria ambiental, desde levantamentos topográficos à elaboração de processos como outorga, averbação de reserva legal, levantamento de fauna e flora, entre outros. Como técnico, estagiou no norte de Minas Gerais com trabalhos voltados à área de saneamento e arborização urbana e também estagiou no Projeto Tamar em Ubatuba – SP, desenvolvendo atividades de manejo, recuperação, educação ambiental, proteção e pesquisa com tartarugas marinhas.

Recentemente, Lucas foi premiado na 11ª edição do Prêmio Furnas Ouro Azul com o projeto intitulado “Aquecendo as Ideias”, que tem o intuito de trazer economia nas contas de luz, levando um equipamento de aquecimento solar desenvolvido com materiais recicláveis às comunidades de Capitólio e Passos - MG.

O estudante concedeu uma entrevista exclusiva à Associação Nacional dos Engenheiros Ambientais – ANEAM sobre o Projeto pelo qual foi reconhecido:

ANEAM - Além de Estudante de Engenharia Ambiental, que outras atividades relacionadas ao curso você exerce atualmente?

Lucas - Atualmente trabalho na área de consultoria ambiental e estamos em processo de criação de uma OSCIP na cidade onde moro, com o intuito de conservação e preservação ambiental dos nossos lagos, sendo Capitólio - MG uma cidade privilegiada por belas paisagens e banhada pelo lago de Furnas.

ANEAM - Faça um breve resumo sobre o Projeto pelo qual recebeu premiação no 11º Prêmio Furnas Ouro Azul.

Lucas - Meu projeto consiste na utilização de materiais que normalmente são destinados a um aterro e na maioria das vezes no próprio ambiente (a céu aberto), que são: caixas de leite tetra pak e garrafas pet, que dispostos de forma inadequada no ambiente causam diversos prejuízos para o homem e para a natureza. O projeto é simples: utilizo esses materiais para a fabricação de um aquecedor solar, onde a água que circula dentro do equipamento é aquecida. Na verdade, esse projeto é utilizado no trabalho de mobilização e educação ambiental, tanto na comunidade como nas escolas, onde as crianças aprendem a importância do reaproveitamento desses materiais para a construção de um equipamento que será útil em suas casas, assim desenvolvendo nessas crianças o próprio policiamento dentro de casa.

ANEAM - O que você acha da importância da participação de acadêmicos ou profissionais de Engenharia Ambiental no desenvolvimento de projetos relacionados às tecnologias ambientais?

Lucas - É muito importante sua participação, tanto para valorizar a profissão como para seu próprio crescimento, fazendo com que esse profissional ganhe espaço no mercado de trabalho e para que, no caso do acadêmico, no final de seu curso já tenha uma noção de que área específica irá exercer sua profissão, além de ter uma visão mais ampla do mercado de trabalho.

ANEAM - Que áreas você considera mais promissoras para o ingresso do Engenheiro Ambiental?

Lucas - No Brasil, o que está em alta é a Área de Saneamento e a Legalização Ambiental. Na área do saneamento, agora com a lei de caracterização dos resíduos sólidos urbanos, teremos mais condições e mais oportunidades para esse profissional; e com a aprovação do novo código florestal, a regularização de empreendimentos e imóveis rurais está em alta, com isso não faltará lugar para esse profissional de agora em diante.

ANEAM - A Engenharia Ambiental é relativamente nova no mercado de trabalho brasileiro e também, dentre as demais Engenharias, a que mais tem potencial de crescimento. O que você acha que esta faltando para que esse fato seja concretizado?

Lucas - Primeiramente, a união da classe juntamente aos CREAs; incentivo por parte do governo na produção de fontes de energias renováveis e menos impactantes, obrigando empresas de grande potencial poluidor a terem um engenheiro ambiental em sua equipe de trabalho para implantar projetos que minimizem os impactos causados pela mesma.

ANEAM - Hoje você está sendo reconhecido pelo trabalho, esforço e dedicação em prol da profissão de Engenheiro Ambiental. Qual recado você gostaria de deixar aos futuros Engenheiros Ambientais?

Lucas - Professores, colegas e principalmente onde moro, as pessoas já me veem com outros olhos em virtude do trabalho de educação ambiental desenvolvido a partir do meu projeto com toda a comunidade. Gostaria de dizer para aqueles que estão cursando Engenharia Ambiental, que é preciso se mover, buscar o conhecimento, ficar por dentro da legislação vigente, tecnologias alternativas e metodologias de trabalho em equipe; isso é muito importante, pois para termos um trabalho bem elaborado deve-se ter multidisciplinaridade e isso não é só pra nós, mas para todas as engenharias.

ANEAM - A ANEAM, por meio desta entrevista, vem cumprindo o seu papel de reconhecimento e valorização dos Engenheiros Ambientais do Brasil. Como você avalia esta ação?

Lucas - É de grande valia, pois esse reconhecimento certamente fará surgir mais oportunidades, além de melhorar a autoestima e dar mais força para seguir em frente com o curso e na elaboração de mais projetos. Estou com dois projetos prontos para serem executados, os quais irão fazer a diferença em uma comunidade, dando suporte às pessoas e levando a elas, tecnologias alternativas. E para finalizar, espero que nossa classe se fortaleça a cada dia, pois o trabalho exercido por esse profissional está sendo cada vez mais requisitado por muitas empresas e por todo o mundo, já que a “moda” agora é a sustentabilidade.

Diretoria de Comunicação - ANEAM

Última modificação em Sexta, 18 Outubro 2013 18:07

Add comment


Security code
Refresh

Associação dos Engenheiros Ambientais

Top Desktop version