ANEAM - Associação Nacional dos Engenheiros Ambientais

22-03-2012

O Engenheiro Ambiental Vinícius Panebianchi explicita a importância do co-processamento dos resíduos industriais

Avalie este item
(0 votos)

Durante a apresentação no 2º seminário de Plano de Gerenciamento de Resíduos, o Engenheiro Ambiental da Votorantim Cimentos, Vinícius Panebianchi, ressaltou as vantagens do co-processamento para as empresas que desejam dar uma destinação final aos seus resíduos.

O especialista informou detalhes sobre a tecnologia no Brasil e anunciou as metas da empresa para 2015.

O co-processamento, tecnologia que realiza a destruição dos resíduos em fornos de cimentos e simultaneamente produz o clínquer, está sendo uma das tecnologias mais procuradas pelas empresas que desejam destinar os seus resíduos de forma ambientalmente correta. Segundo Vinícius, o custo da tecnologia é atrativo para diversos tipos de geradores, como a indústria automotiva, petroquímica, química, construção, metalurgia, papel e madeira, têxtil e calçado.

Os custos envolvidos para a destinação de resíduos no co-processamento são variáveis e acessíveis. As grandes vantagens do co-processamento para o gerador se dão pela completa destruição do resíduo (que chega a temperaturas superiores a 1000ºC no interior do forno), na eliminação de riscos ambientais e no atendimento a legislação vigente”, diz Panebianchi.

Empresas como a Petrobras, Reciclanip, Michelin e Resicontrol, são algumas que já utilizam essa tecnologia para garantir a destinação correta dos seus resíduos. Entre os resíduos co-processáveis estão os solventes, borras de tinta; borras oleosas; “slop” (“cocktail” de óleos derivados de petróleo), lodos de tratamento, resíduos da indústria de alumínio e pneus. A principal restrição da tecnologia é a inviabilidade de co-processamento de certos tipos de resíduos, como, por exemplo, os resíduos radioativos e hospitalares.

Com a Política Nacional de Resíduos Sólidos ainda entre os setores produtivos, a Votorantim Cimentos estima um forte crescimento de co-processamento de resíduos em fornos de clínquer. “A meta da Votorantim Cimentos é de que seja realizado o licenciamento ambiental para que todas as unidades do grupo realizem co-processamento e que o volume, para daqui a três anos, passe de 350.000 toneladas por ano para 1.000.000 de toneladas de resíduos coprocessados”, completou.

Fonte: Página Sustentável

 

Última modificação em Sexta, 23 Março 2012 04:04

Add comment


Security code
Refresh

Associação dos Engenheiros Ambientais

Top Desktop version